Templo Eikan-do, Quioto

Desfrute destes templos com corredores fantásticos - 1

 Por Tomoko Kamishima   22/09/2015

O Templo Eikan-do, a norte do Templo Nanzen-ji e situado na base do Mt. Higashiyama, é oficialmente chamado de Templo Zenrin-ji. Mas hoje, chamamos-lhe Eikan-do, por influência do Sacerdote Eikan. Este templo tem corredores verticais fascinantes que trazem visitantes para cima e para baixo e à volta de toda a área do templo. Dado o templo ser bastante popular por causa das suas belas folhas de outono, tanto os longos corredores de madeira como toda a área do templo estão repletos de visitantes no outono. Por essa razão, provavelmente recomendaria visitar o Eikan-do durante outra estação para poder desfrutar do real prazer de caminhar pelos seus corredores. Mas antes de lhe contar sobre a rota dos corredores, gostaria de partilhar consigo uma história interessante sobre o Sacerdote Eikan.

Sacerdote Eikan (1033-1111)

Eikan tornou-se sacerdote no Templo Zenrin-ji (Eikan-do) quando tinha 11 anos de idade. Entrou então no Templo Todai-ji em Nara (o mosteiro académico mais avançado do Japão) para estudar várias doutrinas Budistas, tendo dominado todas. Mas quando tinha 30 anos, ele começou a pensar sobre como deveria realmente ajudar os pobres e os fracos. Então focou-se na veneração do compassivo Buda Amitabha. Eventualmente decidiu deixar o Templo Todai-ji e voltou aqui para o Templo Zenrin-ji com esse propósito. Nessa altura foi-lhe confiado o presente de uma estátua do Buda Amitabha por alguns sacerdotes principais do Templo Todai-ji. No entanto, no caminho de volta, alguns outros sacerdotes do Templo Todai-ji que não gostaram muito da ideia seguiram Eikan e tentaram roubar-lhe a estátua. Mas a estátua ficou firmemente presa às suas costas e eles não conseguiram separá-la. Finalmente os perseguidores desistiram e foram-se embora.

Dez anos mais tarde, numa madrugada de fevereiro, ele estava a recitar uma oração enquanto caminhava junto à mesma estátua. De repente, alguém caminhava em frente a si, orando. Ele olhou para essa pessoa. E olhou novamente para ela. E percebeu que se tratava do próprio Buda Amitabha! Perplexo com o que se estava a passar, Eikan parou de andar. Então o Buda Amitabh olhou-o por cima do seu ombro e repreendeu-o com um carinhoso: “Continua, Eikan!” Eikan rezou fortemente para que Amitabha continuasse naquela posição. E então Amitabha continua a olhar para trás há mais de 900 anos! (Veja a foto nº 12)

Rota do Passeio (veja o vídeo aqui)

Depois de entrar pelo Portão Chumon, vire à direita e rapidamente encontrará um edifício (Dai-gen-kan) à esquerda. Esta é a entrada para a rota dos corredores. Primeiro, o corredor segue em redor de um jardim interior, e depois por entre salas onde tem lugar a adoração a algumas belas estátuas de Buda. Caminhe lentamente, sinta o silêncio, e desfrute do toque no suave soalho de madeira sob os seus pés. É extremamente confortável. Enquanto atravessa os corredores, poderá reparar em algo interessante: dado o templo situar-se numa vertente, dá a sensação de ser um labirinto, com os edifícios, os andares e os corredores a prolongarem-se para aqui e para ali em todas as direções. Á medida que olha em seu redor, poderá ver pessoas à distância, por cima ou por baixo de si. Isto poderá ser semelhante à experiência que se tem como criança na escola ao observar alunos mais velhos de longe, sabendo que um dia eventualmente também nós estaremos no seu lugar.

Na parte de trás da Sala Miei-do, há um dispositivo de água, chamado Suikinkutsu. Este produz um ténue e agradável som após entornarmos água numa bacia que fica por baixo de umas pedras pequenas. Aqui, o corredor divide-se em duas direções: uma interessante escadaria curva (levando para cima, à esquerda) ou uma escadaria normal direita que leva à Sala Amida-do, à direita.

Escadaria curva, Garyu-ro

Garyu-ro significa ‘corredor em forma de dragão adormecido’. As escadas curvam-se suavemente, e a combinação do teto com as escadas assemelha-se a foles. Caminhando por estas escadarias de madeira exteriores com telhado, poderá mesmo sentir que está a atravessar o estômago de um grande dragão. Também terá uma bela vista da floresta que fica nas proximidades, e quando chegar ao topo, terá uma vasta e bela paisagem das montanhas distantes e da vizinhança do templo mesmo à sua frente. Surpreendentemente, este corredor foi construído sem um único prego.

Sala Amida-do (Sala do Buda Amitabha)

Suba através da escadaria a direito e passará por uma pequena sala contendo lápides Budistas). Esta é a Sala Amida-do onde o Buda Amitabha falou com o Sacerdote Eikan. A estátua de Buda fica no centro, olhando por cima do seu ombro esquerdo para Eikan, e para nós.

Sobre esta série

O Período Heian do Japão (794-1185) foi uma era de aristocracia. O seu gosto refinado encontrou o seu lugar no desenho dos edifícios dos templos e dos jardins. Frequentemente os edifícios não tinham paredes, mas no seu lugar tinham persianas de madeira ou portas deslizantes por todo o lado. Quando as persianas ou portas estavam completamente abertas, o interior das salas tornava-se numa parte do mundo exterior. Os corredores exteriores com telhado ligando os edifícios eram também locais onde podiam tocar na natureza, desfrutar dos jardins, e respirar e sentir o ar puro, ao mesmo tempo que estavam protegidos da chuva, neve e raios de sol fortes. Os nobres apreciavam muitíssimo a alteração sazonal dos jardins, e o toque confortável da madeira destes impressionantes corredores exteriores.

Os templos que esta série cobre (ver abaixo) foram todos fundados no Período Heian, e são admirados pela disposição dos seus belos corredores. Espero que goste tanto deles como eu gostei!

1 - Templo Eikan-do (fundado em 853): Excursão através de uma coleção de corredores verticais, que levam a níveis superiores

2 - Templo Daikaku-ji (fundado em 876): Excursão através de um labirinto de longos corredores horizontais

3 - Templo Ninna-ji (fundado em 888): Corredores em zigzag ligando jardins de areia e de lagos

4 - Templo Shoren-in (fundado em 1150): Corredores em forma de ferradura percorrendo três jardins

Se gostou desta série, poderá gostar também da minha outra série, Desenhadores Proeminentes de Jardins. Esta série apresenta cinco famosos jardins de Quioto.

Escrito por Tomoko Kamishima
Membro da JapanTravel
Traduzido por Andre Moreira

Explorar nas proximidades

Junte-se à discussão