Jardim Hojo de Tenryu-ji, Quioto

Desenhadores Proeminentes de Jardins 1 - Muso Soseki

Por Tomoko Kamishima   

O outono é a estação em que tudo fica calmo e tranquilo em Quioto: céu limpo, folhas coloridas, e tempo perfeito. É a minha altura preferida do ano. E aqui, em Arashiyama, ponho-me a pensar sobre o quão a nobre elite e os sacerdotes Budistas de Quioto apreciaram este belo jardim durante 700 anos. E agora nós também o podemos apreciar!

No distrito de Arashiyama, em Quioto, as paisagens de flores de cerejeira e folhas de outono são muito especiais na primavera e no outono, mas esta zona da cidade atrai pessoas durante todo o ano. O Templo Tenryu-ji, em Arashiyama, registado como Património Mundial, tem um belo jardim, com as montanhas Arashiyama e Kameyama por trás do mesmo. O grande mestre Zen, Sacerdote Muso Soseki, desenhou este jardim em 1345, baseando-se na sua filosofia Zen.

Rota

Existem duas entradas em frente à sala principal: a entrada da sala principal (lado direito) e a entrada do jardim (lado esquerdo). Siga pela entrada do jardim. Caminhe pelo exterior da sala principal, desfrutando do jardim de areia. Este é o jardim que Muso Soseki desenhou - o Jardim Hojo. Também existe aqui um lago. No entanto, não há locais para se sentar e meditar. Se estiver interessado, existe um belo jardim verde por trás da sala principal - o Jardim Hyakka-en.

Jardim Hojo

Quioto tem muitos jardins secos que exprimem abstratamente várias formas de água na Natureza usando rochas e areia. O belo jardim de Tenryu-ji não é um simples jardim seco, mas sim uma perfeita fusão de três elementos chave. 1) Areia branca disposta num padrão de suaves ondas, representando as típicas águas japonesas. 2) Rochas e pedras dispostas em redor de um lago, representando a acidentada costa da China. 3) As vistas do Mt. Arashiyama e do Mt. Kameyama no fundo. O fascinante contraste de cores do céu azul, lago límpido, e folhas vermelhas, amarelas, cor-de-laranja e verdes, é esplêndido em finais de Novembro.

Sacerdote Muso Soseki e a sua aproximação à jardinagem

Antes deste jardim, não havia jardins secos tão bem desenhados no Japão. As pessoas de antigamente normalmente copiavam belas vistas famosas e replicavam-nas nos seus próprios jardins. Faziam lagos, ilhas e barcos de navegação, e dava a sensação de estar a viajar para outro lugar. O ponto característico por trás do design deste jardim é que o seu desenhador, Muso Soseki, foi um mestre Zen proeminente. Ele construiu jardins para a prática do Zen.

Muso Soseki vagueou por Quioto, Kamakura, Nasu, Tohoku, e outros locais, aprendendo os ensinamentos Budistas avidamente até ter 50 anos de idade. Durante as suas viagens, ele provavelmente desfrutou de muitas e belas paisagens em muitos lugares. Ele pensou que se deveria colocar na universalidade da Natureza e dedicar-se à prática do Zen. Mas ele também achou que deveriam existir ambientes apropriados para essa prática. E foi então que começou a planear jardins. A sua experiência do Zen na Natureza teve um grande impacto na forma como planeou os seus jardins.

Por exemplo, os sacerdotes de Zen praticam meditação para alcançar o estado de não-existência. Mas não é uma coisa nada fácil de fazer. O Zen diz que podemos praticar meditação Zen em todo e qualquer lugar. O que significa que podemos praticar num quarto, numa rocha, e também num jardim. Então, Muso Soseki construiu jardins especiais destinados ao propósito de meditar. Além do jardim de Tenryu-ji, Muso Soseki deu completo uso à sua filosofia nos jardins de Saiho-ji (Quioto) e de Zuisen-ji (Kamakura).

Sobre esta série

Quioto foi a capital do Japão durante mais de 1000 anos (794-1867). É famosa pelos seus templos e jardins, que se separam em três tipos principais (apesar de alguns jardins conjugarem estilos). 1) Jardins secos usam rochas e areia para exprimir a água. São geralmente desenhados para serem apreciados a partir de uma sala. 2) Jardins de estilo excursão normalmente incluem um caminho em redor de um lago. Podemos desfrutar de diferentes vistas durante a caminhada. 3) Jardins de estilo abstrato são bastante modernos mas continuam a seguir algumas tradições de jardins.

O primeiro jardim em Quioto teve origem no Jardim Shinsen-en. Os jardins evoluíram por um longo período de tempo para os três estilos mencionados acima. Nesta série, gostaria de lhe apresentar alguns mestres de planeamento de jardins (jardineiros/arquitetos paisagísticos), e alguns dos deslumbrantes jardins japoneses que eles desenharam em Quioto.

1) Sacerdote Muso Soseki (1275-1351): Jardim Hojo de Tenryu-ji (Jardim de estilo excursão)

2) Kobori Enshu (1579-1647): Jardim Tsuru-Kame de Konchi-in (Jardim seco)

3) Ishikawa Jozan (1583-1672): Quinta Shisen-do (Jardim seco/Jardim de estilo excursão)

4) Ueji VII (1860-1933): Quinta Murin-an (Jardim de estilo excursão)

5) Shigemori Mirei (1896-1975): Jardim Hojo de Tofuku-ji (Jardim de estilo abstrato)

Se gostou desta série, também poderá gostar da minha outra série "Desfrute destes templos com belos corredores exteriores". Esta série apresenta quatro atraentes corredores e jardins de templos em Quioto.

Este artigo foi útil?

Sugerir uma alteração

0
0
Andre Moreira

Andre Moreira @andre.moreira

Born in the Portuguese countryside in 1990, I've been living in Japan since 2012. After finishing my Computer Engineering University Course in Lisbon, Portugal, I decided to study Japanese in Tokyo, with the purpose of continuing my studies there. After one year of studying of the language, I entered a Japanese Professional College where I finished my study in 2015. I am now working in a videogame Japanese company as Motion Designer. I also write in my blog about Japan. My goal is to introduce Japan to anyone who is interested in the culture, the language, the music, the anime, the food, and so on. And that's what you can find there: everything! Plus, my experience here as a Portuguese expat. You can access through this link: The Rising Sky Blog Should you have some questions on how to come to Japan, what to do, where to study, etc., feel free to contact me!

Original por Tomoko Kamishima

Deixar um comentário