Ushiku Daibutsu

Este amável gigante é a maior atração secreta do Japão

Por Peter Sidell   

A cerca de uma hora a nordeste de Tóquio, existe um grande segredo. Muito grande, de facto, com cerca de 120 metros de altura. Na verdade, durante cerca de sete anos após a sua conclusão em 1995, foi a maior estátua do mundo, e ainda se encontra entre as maiores três. No plano campo agrícola de Ibaraki, ela ergue-se acima das árvores, acima dos prédios, acima de tudo, no entanto muitas pessoas no Japão nunca ouviram falar dela. É o Ushiku Daibutsu, uma imagem de Amida Buda, um verdadeiro gigante amável.

Simplesmente falando, é uma vista de deixar qualquer um boquiaberto. Caminhei até lá a partir do Ami Premium Outlet, de onde já era claramente visível por cima das árvores, e à medida que me aproximava, agigantava-se mais, e mais, e mais. Na verdade, eu enganei-me no caminho e acabei por andar às voltas até lá chegar, mas devido a isso acabei por atravessar um cemitério que me pôs num estado de espírito adequadamente contemplativo, e também me permitiu ver a estátua de todos os ângulos. Mesmo numa tarde muito quente de verão, a serenidade da pose e da expressão do Buda tinham um efeito de calma, muito elevado (se me permite o trocadilho) pelo seu tamanho e pelo silêncio das redondezas. Os únicos sons vinham dos aviões do relativamente próximo aeroporto de Narita, e o ocasional som de um sino do jardim onde o Daibutsu se encontra.

Ao chegar à entrada, paguei o bilhete, caminhei através de uma pequena arcada com bancas de lembranças, e toquei um sino junto ao portão. Levei o meu tempo a apreciar a aproximação à estátua, um simples caminho de pedras com um jardim de flores à direita, um sino maior mais à frente, e um lago de carpas; por 100 ienes pode comprar um saco de comida para peixe e ver a água a agitar-se a medida que as carpas lutam por ela. Mas durante todo esse tempo a estátua esteve ali, projetando a sua longa, longa sombra, exercendo a sua tranquilizadora influência.

Dando a volta pela parte de trás, cheguei à entrada da estátua, e assim que me encontrei no interior, começou uma experiência completamente nova. A primeira sala escureceu, e ouvi algumas palavras em japonês, as quais suponho que fossem a explicação da história e natureza da estátua. Mais à frente estava outra sala com numerosas pequenas figuras coloridas de Buda, conduzindo a um espaço maior com luzes de cor suave e música meditativa, que me acalmou a mente de uma forma muito Budista. Após subir as escadas, deparei-me com uma exposição de arte, estátuas e fotografia sobre a história da construção da estátua, incluindo uma réplica à escala de um dedo do pé, que tinha uns bons dois metros de comprimento.

A partir daqui, apanhei o elevador até ao quinto andar, 85 metros acima do solo, de onde é possível olhar através de janelas sobre o jardim e a paisagem do campo em redor. Aparentemente, num dia de céu limpo é possível ver a Tokyo Skytree através da janela que está virada para sul, mas não consegui ver no dia em que visitei; apreciei bastante, no entanto, olhar para baixo para o caminho que leva do portão à estátua, e para as poucas e pequeníssimas pessoas lá em baixo. Ao descer os degraus até ao quarto andar, encontrei uma loja que vendia mais lembranças, bem como parafernália Budista como incenso e estátuas.

Voltando para baixo no elevador, o terceiro andar revelou-se novamente diferente, o Santuário de Lótus. A cor predominante aqui é o dourado, que me cercava completamente, com paredes nas quais se alinhavam 3300 imagens de Buda do topo à base, criando uma atmosfera radiante mas ao mesmo tempo calma. Preenchido de uma sensação calorosa, desci até ao segundo andar e encontrei um novo espaço maior, suavemente iluminado e decorado, onde pude descansar por alguns momentos antes de emergir de novo na luz do sol.

Alguns dias depois, ainda estava emocionado e entusiasmado com a minha visita; dos muitos locais que já visitei no Japão, este tornou-se definitivamente num dos meus favoritos. É simples, é da cultura japonesa, mas também tem um charme universal, e é tanto impressionante como subestimado, apesar dos seus 120 metros de altura. Situado a uma distância facilmente percorrida num dia a partir de Tóquio, o Ushiku Daibutsu é verdadeiramente uma experiência única.

Este artigo foi útil?

Sugerir uma alteração

0
0
Andre Moreira

Andre Moreira @andre.moreira

Born in the Portuguese countryside in 1990, I've been living in Japan since 2012. After finishing my Computer Engineering University Course in Lisbon, Portugal, I decided to study Japanese in Tokyo, with the purpose of continuing my studies there. After one year of studying of the language, I entered a Japanese Professional College where I finished my study in 2015. I am now working in a videogame Japanese company as Motion Designer. I also write in my blog about Japan. My goal is to introduce Japan to anyone who is interested in the culture, the language, the music, the anime, the food, and so on. And that's what you can find there: everything! Plus, my experience here as a Portuguese expat. You can access through this link: The Rising Sky Blog Should you have some questions on how to come to Japan, what to do, where to study, etc., feel free to contact me!

Original por Peter Sidell

Deixar um comentário