Templo Kinkaku-ji, Quioto

O brilhante pavilhão dourado e o seu espaçoso jardim

Por Tomoko Kamishima   

O Templo Kinkaku-ji (concluído em 1398 e hoje oficialmente chamado Templo Rokuon-ji) é normalmente traduzido como "Templo do Pavilhão Dourado". Apesar de tendermos a focar-nos na bela estrutura que aqui existe chamada Kinkaku, toda a zona é de facto muito especial.

Um Shogun aposentado, Ashikaga Yoshimitsu (1358-1408) construiu uma quinta privada para si chamada Kitayama-dono. Incluía o pavilhão Kinkaku, e era usada como casa de hóspedes para o Imperador, emissários estrangeiros, e membros da nobreza. Como político, Yoshimitsu prestou dois valiosos serviços ao Japão. Primeiro, pôr fim a um conflito de mais de cinquenta anos (1336-1392) entre as duas Cortes Imperiais. Segundo, restaurou laços diplomáticos e comércio internacional com a Dinastia Ming. Foi o primeiro contacto oficial entre as duas partes em 500 anos, desde a Dinastia Tang. Yoshimitsu terá construído o Kinkaku como forma de expressar o seu sucesso e poder.

A quinta tornou-se parte do Templo Shokoku-ji após a morte de Yoshimitsu, mas continuou a ser um local muito popular para a realização de festas entre membros da nobreza. O destaque era, como é óbvio, o Kinkaku, mas as pessoas naquela altura também apreciavam caminhadas no seu jardim, passeios de barco no seu grande lago, e a fantástica vista da ponte por cima do lago.

Festas de luxo no pavilhão dourado

De 1402 a 1407, Yoshimitsu acolheu os emissários da Dinastia Ming todos os anos aqui em Kitayama-dono. Em 1408, o Imperador Go-komatsu visitou Kitayama-dono e permaneceu por três semanas. Durante esse tempo, Yoshimitsu fez uma festa de receção e divertiu o Imperador com espetáculos de dança de Mai, competições de poesia Renga ou Waka, e passeios de barco no lago.

O diário de um sacerdote do Templo Shokoku-ji descreve a quinta como sendo,

"...quase como o paraíso; esta fascinante quinta é falada por toda a gente na cidade. Há estruturas muito altas, um pavilhão fantástico, e edifícios esplêndidos com belas pinturas e esculturas. Estão espalhados pelo recinto, como se fossem estrelas no céu."

Outro diário escrito 200 anos mais tarde em 1638 por um sacerdote do Templo Kinkaku-ji diz,

"Desfrutámos de chá verde na casa de chá, e subimos a colina para almoçar e beber um pouco de saké. Depois disso, voltámos ao Kinkaku e demos um passeio de barco. Foi muito agradável. Mais tarde, comemos noodles udon e arroz misturado com vários ingredientes."

Detalhes do pavilhão dourado

O pavilhão é um edifício de três andares. O primeiro andar consiste numa ampla sala chamada Shinden-zukuri; o segundo andar tem duas salas divididas por portas deslizantes de papel e uma varanda, chamada Buke-zukuri; e o terceiro andar inclui uma caixa com ossos de Buda. A sala está rodeada de janelas em forma de arco, chamados Zenshu-yo. O exterior do primeiro andar é feito de madeira escura. Em contraste, os dois andares de cima estão envolvidos por brilhantes paredes douradas. Dado o pavilhão estar junto a um lago grande, a imagem refletida do edifício tremeluz na água. O primeiro andar de cor escura, que a maior parte das pessoas nem se apercebe, contrabalança os brilhantes andares de cima.

História do jardim

O proprietário original desta terra era Nakasukeo (1157-1222), um nobre da corte. E o nobre de mais alto nível na corte, Saionji Kintsune (1171-1244) comprou-a e construiu uma enorme quinta e templo para a família, e chamou-lhe Kitayama-dai. Ele construiu um fabuloso caminho de excursão no jardim à volta do lago com cascatas artificiais e muitas e belas rochas. E também construiu uma câmara de pedra para uma estátua Budista na colina. De acordo com o diário do nobre e poeta Fujiwara no Teika, Teika desfrutava dos fantásticos jardins e venerava uma nova estátua Budista em Kitayama-dai. Teia escreveu: "Nada pode ultrapassar isto." Mas os belos jardins arruinaram-se quando a Família Saionji perdeu o seu poder.

Em 1397, Yoshimitsu recebeu a terra da Família Saionji e reproduziu a esplêndida quinta Kitayama-dono na mesma. Ele modelou a quinta com base no Templo Saiho-ji. O Saiho-ji tinha um jardim de dois estratos combinado com um jardim com um lago para excursões na parte inferior e um jardim seco na parte superior. O jardim inferior tinha um pavilhão de dois andares junto ao lago, enquanto que o jardim superior foi construído no interior e em redor de um antigo cemitério. É sabido que Yoshimitsu admirava o Sacerdote Zen Muso Soseki e visitava com frequência o Templo Saiho-ji, um templo que Muso Soseki tinha regenerado 50 anos antes. Yoshimitsu chegou mesmo a ficar durante toda a noite no templo para a sua própria prática Zen.

Jardim de dois estratos no Kinkaku-ji

O jardim com um lago para excursões que inclui o Kinkaku é o primeiro estrato do jardim. Este sugere a existência de um paraíso neste mundo. Quando o sol se põe, as paredes douradas do pavilhão são iluminadas pela luz do sol. O Kinkaku chegou a estar ligado ao lado este do lago por uma ponte em arco. Nessa altura, ao estar na ponte, que estava muito próxima do pavilhão, tínhamos a hipótese de ver ambos o Kinkaku brilhantemente iluminado e os seus tremeluzentes reflexos na superfície do lago. Os Budistas acreditam que o Paraíso da Terra Pura está no oeste. Por isso, a ponte servia de intermediário entre um paraíso neste mundo e a Terra da Pureza.

O jardim superior na colina é o segundo estrato de todo o jardim, invocando a terra daqueles que já partiram. Isto dá-se ao facto de que o antigo dono desta terra tinha um templo de família e um cemitério aqui. Yoshimitsu deu um uso inteligente ao antigo cemitério durante o planeamento do jardim, e tentou mostrar o contraste do brilhante pavilhão dourado com o mundo dos mortos.

Sobre esta série

Em 1339, o Sacerdote Muso Soseki desenhou e construiu um jardim de dois estratos de excursão no Templo Saiho-ji. Ainda hoje é famoso e muito admirado. O contraste entre o elegante jardim com um lago na parte inferior e o severo jardim seco na parte superior terá sido muito poderoso. Quase 700 anos depois, o jardim mudou completamente. Agora podemos desfrutar do charme de um jardim coberto por um belo tapete de musgo.

Por admirarem e muito Muso Soseki e o seu trabalho, as pessoas de poder das gerações que se seguiram modelaram os seus próprios jardins com base no jardim de dois estratos do Saiho-ji. Nesta série, gostaria de olhar para três jardins muito especiais em Quioto e considerar a sua beleza a partir da perspectiva do seu uso do espaço.

Templo Saiho-ji: Jardim com um tapete de musgo para prática Zen

Templo Kinkaku-ji: Brilhante pavilhão dourado e o seu espaçoso jardim para festas

Templo Ginkaku-ji: Delicado pavilhão prateado e o seu jardim para apreciar a lua

Este artigo foi útil?

Sugerir uma alteração

0
0
Andre Moreira

Andre Moreira @andre.moreira

Born in the Portuguese countryside in 1990, I've been living in Japan since 2012. After finishing my Computer Engineering University Course in Lisbon, Portugal, I decided to study Japanese in Tokyo, with the purpose of continuing my studies there. After one year of studying of the language, I entered a Japanese Professional College where I finished my study in 2015. I am now working in a videogame Japanese company as Motion Designer. I also write in my blog about Japan. My goal is to introduce Japan to anyone who is interested in the culture, the language, the music, the anime, the food, and so on. And that's what you can find there: everything! Plus, my experience here as a Portuguese expat. You can access through this link: The Rising Sky Blog Should you have some questions on how to come to Japan, what to do, where to study, etc., feel free to contact me!

Original por Tomoko Kamishima

Deixar um comentário