O Santuário Flutuante Itsukushima

O grande foco de turismo da ilha de Miyajima

Por JJ Walsh   

Todos os anos, cerca de 3 milhões de pessoas visitam o Santuário Itsukushima e o seu enorme torii "flutuante" na ilha sagrada de Miyajima.

Embora se diga que o santuário está aqui há mais de 4000 anos, a sua forma atual foi pela primeira vez construída em 1168 pelo poderoso senhor de guerra Taira-no-Kiyomori. Reconstruída por Motonari Mori em 1571, a estrutura atual mantém o estilo arquitetónico do início da era Heian com as suas graciosas linhas curvas e detalhes que pode ver por todos os edifícios. Leia mais sobre a história dos edifícios e estilo arquitetónico nesta página de turismo de Miyajima.

Ao longo dos anos, tem sido reconstruído devido a danos causados por incêndios, tempestades e batalhas. Ainda há bastantes reparações que precisam de ser feitas para mantê-lo com a sua bela aparência apesar de lutar contra os elementos todos os dias. Acho que é fantástico o facto de ter visitado a ilha e visto o santuário tantas vezes, e nunca ter visto andaimes de reparações.

Há teorias contraditórias sobre por que razão o santuário foi construído sobre o mar, mas qualquer que seja a teoria verdadeira, trata-se de uma vista espetacular. O reflexo do santuário na água oferece a oportunidade de tirar fotos fantásticas, especialmente ao início da manhã ou ao pôr-do-sol.

É possível apreciar diferentes faces do santuário a partir de vários locais à sua volta. No entanto, se tiver tempo, pague a entrada e desfrute da serenidade de caminhar através das várias passagens dos edifícios do santuário.

Leve o seu tempo a vaguear pelos corredores e a vislumbrar o santuário de diferentes ângulos com vários fundos de floresta, água, e santuários, templos e o pagode de 5 andares adjacentes. Absorva a curvatura dos telhados, as portas, as lanternas, e todos os mais detalhados pormenores.

Ao deambular pela zona, poderá deparar-se com a cerimónia de um bebé recém-nascido, ou um casal poderá estar a participar nos rituais tradicionais de casamento. Os sacerdotes estão frequentemente ocupados a orientar uma cerimónia com cânticos e a fazer bênçãos sobre as pessoas. Isto é tudo parte de um dia normal neste famoso santuário e é um aspeto interessante da cultura japonesa a testemunhar. Também podem ser vistos muitos festivais e eventos neste santuário em determinadas alturas do ano.

No final de Março, o desfile e festival de Kiyomori têm lugar numa altura em que muitas crianças e adultos vestem trajes tradicionais japoneses e desfilam desde o porto do ferry através do santuário Itsukushima, terminando no santuário Kiyomori.

Em Abril tem lugar o festival do Pêssego Toka, e em Outubro o festival do Crisântemo Kikka. Ambos têm lugar no santuário Itsukushima, podendo desfrutar-se de complicadas danças de corte tradicionais em vestes espetaculares e máscaras bastante ornamentadas. Outros eventos onde poderá apreciar estas danças de corte têm lugar neste santuário 4 vezes na primeira semana de Janeiro, em meados de Maio, no início de Junho, no final de Outubro, e novamente no final de Dezembro.

Este artigo foi útil?

Sugerir uma alteração

0
0
Andre Moreira

Andre Moreira @andre.moreira

Born in the Portuguese countryside in 1990, I've been living in Japan since 2012. After finishing my Computer Engineering University Course in Lisbon, Portugal, I decided to study Japanese in Tokyo, with the purpose of continuing my studies there. After one year of studying of the language, I entered a Japanese Professional College where I finished my study in 2015. I am now working in a videogame Japanese company as Motion Designer. I also write in my blog about Japan. My goal is to introduce Japan to anyone who is interested in the culture, the language, the music, the anime, the food, and so on. And that's what you can find there: everything! Plus, my experience here as a Portuguese expat. You can access through this link: The Rising Sky Blog Should you have some questions on how to come to Japan, what to do, where to study, etc., feel free to contact me!

Original por JJ Walsh

Deixar um comentário