Templo Koke-dera (Saiho-ji)

Jardim com um tapete de musgo para prática Zen

Por Tomoko Kamishima   

O Templo Saiho-ji, normalmente chamado de Koke-dera ou Templo do Musgo, tem uma atmosfera única que atraiu pessoas famosas como Steve Jobs (cofundador da Apple) ou Richard Gere (ator americano). Mas na realidade, não era um local coberto de musgo quando foi fundado em meados do séc. VIII. A área do templo tinham dois tipos de belos jardins no séc. XIV, e o Imperador e os Shoguns desfrutavam frequentemente destas vistas e até praticavam meditação Zen aqui. O 3º Shogun Ashikaga, Yoshimitsu, desenhou o Templo Kinkaku-ji, e o 8º Shogun Ashikaga, Yoshimasa, construiu o Templo Ginkaku-ji, modelado com base neste Templo Saiho-ji. Mas no final do séc. XVIII, o Templo Saiho-ji caiu na ruína, e depois disso ficou gradualmente coberto de centenas de tipos de belo musgo.

Belo mundo de musgo

O jardim do Templo Saiho-ji não é um jardim cheio de musgo, mas sim um belo mundo de musgo feito pela natureza e pelo homem. O templo situa-se no interior das curvas do rio Katsuragawa, onde a humidade permanece, chegando a resultados na ordem dos 95% durante todo o ano. O musgo que cresce no templo aparece naturalmente. Mas o musgo também precisa de luz do sol apropriada e água suficiente para crescer. Para manter o musgo nas melhores condições, os sacerdotes e os jardineiros varrem e tiram as folhas de cima do musgo todos os dias. Se se descuidarem na limpeza, o musgo morre.

Antes do musgo

Em 1339, o proeminente sacerdote Zen, Muso Soseki (1275-1351), foi convidado para restaurar o templo e os jardins. Ele combinou dois templos já existentes e construiu um jardim de dois estratos. O jardim superior era um jardim de rochas construído sobre um antigo cemitério. A combinação das rochas expressava uma cascata, uma bacia e um rio. Os sacerdotes naqueles tempos faziam a sua prática Zen sentados no Shito-an, um edifício situado em frente às rochas.

O jardim inferior era um jardim de estilo excursão com um lago no centro. De acordo com um programa da NHK TV, um edifício de dois andares, bastante parecido com o pavilhão prateado no Templo Ginkaku-ji, situava-se no meio do jardim, corredores cobertos rodeavam o jardim exterior, duas ilhas principais no lago estavam cobertas por uma bela areia branca, e uma ponte de madeira em arco com um observatório coberto atravessava o lago. As pessoas apreciavam enormes cerejeiras na primavera, belas flores de lótus no verão, e folhas coloridas no outono. Veja isto: imagem pelo professor Hiromasa Amasaki.

O ciclo da vida

A guerra de Onin (uma guerra civil que destruiu Quioto entre 1467-1477) arruinou o templo e estes jardins. Em 1485, 1568, e por volta de 1630, o Saiho-ji sofreu inundações, e viu os seus edifícios serem reconstruídos por diversas vezes. Um relatório que afirma que os habitantes locais repararam e restauraram os edifícios do templo durante o Período Genroku (1688-1704) é o último registo oficial que encontrámos daquela época. Significa que o templo foi descartado depois disso por um longo tempo.

Por volta de 1800, toda a área do Templo Saiho-ji começou a ficar coberta de musgo. Hoje podem aqui ser encontradas mais de 120 espécies de musgo. Os jardins passaram de brilhantes e floridos, a calmos e completamente cobertos de musgo. O sacerdote mestre do Templo Saiho-ji diz hoje que o templo é ele próprio um organismo vivo gigante, composto por musgo, árvores e flores, e até mesmo sacerdotes. Ele pensa que algumas partes dos jardins sofrem alterações drásticas com o passar do tempo, mas é o ciclo da vida.

Como obter um cartão de admissão

O Templo Saiho-ji não abre as suas portas ao público a não ser que tenha um cartão de admissão especial. Se tiver desejo em visitar este templo, por favor faça uma reserva (ver detalhes).

Sobre esta série

Em 1339, o Sacerdote Muso Soseki desenhou e construiu um jardim de dois estratos de excursão no Templo Saiho-ji. Ainda hoje é famoso e muito admirado. O contraste entre o elegante jardim com um lago na parte inferior e o severo jardim seco na parte superior terá sido muito poderoso. Quase 700 anos depois, o jardim mudou completamente. Agora podemos desfrutar do charme de um jardim coberto por um belo tapete de musgo.

Por admirarem e muito Muso Soseki e o seu trabalho, as pessoas de poder das gerações que se seguiram modelaram os seus próprios jardins com base no jardim de dois estratos do Saiho-ji. Nesta série, gostaria de olhar para três jardins muito especiais em Quioto e considerar a sua beleza a partir da perspectiva do seu uso do espaço.

Templo Saiho-ji: Jardim com um tapete de musgo para prática Zen

Templo Kinkaku-ji: Brilhante pavilhão dourado e o seu espaçoso jardim para festas

Templo Ginkaku-ji: Delicado pavilhão prateado e o seu jardim para apreciar a lua

Este artigo foi útil?

Sugerir uma alteração

0
0
Andre Moreira

Andre Moreira @andre.moreira

Born in the Portuguese countryside in 1990, I've been living in Japan since 2012. After finishing my Computer Engineering University Course in Lisbon, Portugal, I decided to study Japanese in Tokyo, with the purpose of continuing my studies there. After one year of studying of the language, I entered a Japanese Professional College where I finished my study in 2015. I am now working in a videogame Japanese company as Motion Designer. I also write in my blog about Japan. My goal is to introduce Japan to anyone who is interested in the culture, the language, the music, the anime, the food, and so on. And that's what you can find there: everything! Plus, my experience here as a Portuguese expat. You can access through this link: The Rising Sky Blog Should you have some questions on how to come to Japan, what to do, where to study, etc., feel free to contact me!

Original por Tomoko Kamishima

Deixar um comentário