Mercados de Marisco Maizuru Toretore

A vida secreta do Caranguejo Matsuba

Por Bonson Lam   06/10/2016

Os viajantes gourmet são conhecidos por viajar por todo o mundo pelo melhor produto. Quer se trate de Hokkaido pelo melhor caranguejo ou Kumamoto pelo decopom, pode vê-los a planear as suas viagens com antecedência. Nos mercados de peixe de Nishi-Maizuru, o produto fresco vem até si. Converse com as pessoas amigáveis nas bancas do mercado e veja, toque e sinta alguns dos mais frescos Caranguejos Matsuba e de Neve, lagostas ou amêijoas.

Uma das iguarias é o caranguejo de neve, que só cresce nas águas geladas no Pacífico Norte e do Atlântico. Todos os invernos os pescadores de Maizuru enfrentam o mau tempo para encontrar esta iguaria. Demora mais de seis anos para que cresçam até ao seu tamanho máximo, por isso é como ter um vinho vintage. É como se a natureza lhe estivesse a dizer que é algo realmente especial. Claro, muitos caranguejos não vivem tanto tempo. Mesmo que eles se possam defender com as suas pinças, tudo desde focas a peixes maiores podem comer o caranguejo de neve ao jantar. Caranguejos mais jovens ou enfraquecidos estão particularmente em risco. O macho é também conhecido como o caranguejo Matsuba, sendo maior e tendo uma garra ligeiramente maior do que a outra. Ele adora comer peixe e marisco, mas pode tornar-se muito protetor do caranguejo fêmea que também é conhecido como Oyagani.

As ligações entre caranguejos e o Japão são muito antigas, do tempo dos mitos e das lendas. Muitas pessoas sabem sobre os dias felizes do Conto de Genji, de festas aristocráticas e apreciação de todas as coisas artísticas. Mas então Quioto mergulhou na era feudal da história medieval, com guerras entre os clãs Genji e Heike terminando a paz do período Heian. Na batalha de Dannoura em 1185, o derrotado imperador Heike e o seu samurai lançaram-se ao mar, e dizia-se que o caranguejo Samurai, ou Heikea japonica, trazia o rosto do samurai em sofrimento às suas costas. É improvável que experimente caranguejos samurai, que apesar de seu lugar gigante na história, são na verdade muito pequenos.

Dada a aula de história, é hora de escolher marisco fresco, seja dos tanques ou das várias bancas de mercado. Depois de ter feito a sua compra, peça para que seja preparado para si, ou experimente sushi suculento no restaurante do mercado. Nas redondezas fica um Michi no eki, ou estação de serviço, que vende especialidades locais, as quais não podem ser encontradas noutros lugares. Há bastantes lugares grátis para estacionar.

Para aqui chegar, pode apanhar um autocarro junto à estação de comboio (aproximadamente a cada 2 horas), ou, melhor ainda, chamar um táxi ou alugar uma bicicleta no Centro de Informação de Turismo na estação ferroviária da JR Nishi Maizuru. É um agradável passeio de 20 a 30 minutos a partir da estação de comboio, e poderá ver o Parque Maizuru, bem como vislumbrar o oceano pelo caminho, especialmente se sair da autoestrada e seguir ao longo da avenida na costa.

Os mercados estão fechados às quartas-feiras, exceto quando também é feriado público.

Escrito por Bonson Lam
Parceiro da JapanTravel
Traduzido por Andre Moreira

Deixar um comentário