Alojamento no Templo do Koyasan

Templo Shojoshin-in

Por Richard Kirchner   06/02/2016

Toda a gente tem os seus objetivos e a sua programação para umas férias no Japão. Mas se quiser mesmo experimentar algo diferente do que vivenciou até hoje culturalmente ou visualmente, aconselho-o a visitar o Koyasan e a ficar num Templo Budista. Em 2004, o Mt. Koya foi designado Património Mundial.

Após ler online comentários de outras pessoas sobre a sua experiência no Koyasan, para muitos foi o ponto alto da sua viagem pelo Japão. Eu levei alguns familiares lá no seu primeiro dia completo no Japão. Vir de Milwaukee Wisconsin num dia, e ir ao Koyasan no outro, é um grande choque cultural.

Nós fomos no comboio-bala Shinkansen a partir do norte. Saímos na estação de Shin-Osaka e apanhámos a linha de metro Midosuji até à estação de metro de Namba. Depois, há uma pequena caminhada até à estação de Namba Nankai, onde se apanha a linha Nankai Koya. Há vários tipos de comboios que saem daí mas nem todos vão o caminho todo até à estação de Gokurakubashi. Por isso não se engane e entre no comboio expresso certo. A viagem até à estação de Gokurakubashi é fantástica. Sairá lentamente da cidade de Osaka até entrar no campo. Então começará a subir à medida que se aproxima das montanhas. Pelo caminho, passará por várias estações mais pequenas onde o comboio local pára. o seu comboio também irá parar em algumas estações que são elas próprias muito pitorescas. Não têm mesmo nada a ver com as enormes estações de comboios de Tóquio, Osaka, ou Quioto.

Quando chegar ao final da linha em Gokurakubashi, será tentado a pensar que chegou ao seu destino final. Mas ainda tem de apanhar um funicular numa subida com uma inclinação de 30 graus que o levará até ao Koyasan. Está quase lá - agora apenas tem de apanhar o autocarro que o levará até à cidade. Não é permitido andar a pé na estrada de aproximadamente 2 km.

Se decidir ficar num templo em Koya, então saia na paragem de autocarro mais próxima do seu templo e dirija-se para o templo a pé. Eu fiquei no templo Shojoshin-in, um local imperdível que fica junto ao Okunoin. A atmosfera é como a de uma aldeia alpina. Apesar de estarmos em julho, o ar estava fresco e com uma fragrância de cedros e pinheiros.

Quando chegámos ao templo Shojoshin-in, encontrámos o "escritório" e fomos levados para uma mesa baixa com almofadas no chão em volta. Os seus sapatos são recolhidos à entrada. Um sacerdote recebeu-nos e explicou-nos onde iríamos ficar. Éramos seis no nosso grupo e reservámos o Harare ou "alojamento privado para convidados". Ele explicou-nos algumas regras básicas e fomos à nossa vida.

Não podíamos ter pedido mais. Tínhamos uma casa individual com o seu próprio jardim na parte da frente. Havia três quartos separados por painéis shoji, uma "sala de estar" com mesa e chá, várias casas de banho, uma banheira em madeira de cedro, e uma varanda coberta. Era um espaço bastante acolhedor, e os nossos convidados ficaram mesmo impressionados. Depois de uma pequena pausa para descanso e para organizar a bagagem, dirigimo-nos para o Património Mundial de Okunoin para uma caminhada entre os túmulos e em direção ao Mausoléu de Kukai no fim do caminho.

Okunoin é um local mesmo incrível. Um caminho leva-o pelo meio de centenas ou milhares de lápides, algumas com mais de 1000 anos. Enormes camadas de musgo cobriam os cedros que ladeavam o caminho, eles próprios com centenas de anos. Lanternas e alguns sacerdotes que caminhavam pela zona juntavam-se à mística do local. No fim do caminho de 2 km existem paisagens lindíssimas. Depois disto, voltámos para a cidade para a explorar, mas decidimos que valeria a pena voltar a Okunoin durante a noite.

No centro da cidade visitámos o centro de visitantes e descobrimos uma pequena izakaya (talvez a única em Koya) chamada Miyasan. Gerida por um casal, era um local muito acolhedor onde gostava de poder ter passado mais tempo.

O jantar está incluído na sua estadia e é vegetariano. No entanto, era excelente tanto em quantidade como em qualidade. A seguir veio a viagem de volta a Okunoin quando já era escuro. Era ainda mais belo e misterioso. Por sorte apanhámos um batismo Budista junto a um rio onde dezenas de pessoas foram batizadas numa cerimónia com vários cantos. Simplesmente surreal, e uma experiência que não vou esquecer. Se puder, guarde dois dias para o Koyasan. Nós ficámos apenas uma tarde e uma noite, e fizemos tudo um bocado à pressa. Na manhã seguinte, é esperado que participe na oração matinal pelas 6:00 a.m. após a qual receberá uma bela refeição ao pequeno-almoço.

Was this article helpful?

Reportar erros

0
0
Andre Moreira

Andre Moreira @Andre Moreira

Born in the Portuguese countryside in 1990, I've been living in Japan since 2012. After finishing my Computer Engineering University Course in Lisbon, Portugal, I decided to study Japanese in Tokyo, with the purpose of continuing my studies there. After one year of studying of the language, I entered a Japanese Professional College where I finished my study in 2015. I am now working in a videogame Japanese company as Motion Designer. I also write in my blog about Japan. My goal is to introduce Japan to anyone who is interested in the culture, the language, the music, the anime, the food, and so on. And that's what you can find there: everything! Plus, my experience here as a Portuguese expat. You can access through this link: The Rising Sky Blog Should you have some questions on how to come to Japan, what to do, where to study, etc., feel free to contact me!

Original by Richard Kirchner

Deixar um comentário